Os nossos amigos Gatos

Ao longo deste blog vai ser possível conhecer algumas curiosidades felinas e aprender mais sobre estes adoráveis animais.
Aqui encontra um guia prático com todas as informações que o dono responsável precisa de saber.
Sejam bem-vindos ao mundo das Curiosidades Felinas!



quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Leucemia Felina - FeLV


Imagem retirada de: mascotas.org

A Leucemia ou Leucose Felina (FeLV) é provavelmente a doença vírica mais fatal entre os gatos por todo o mundo e é a segunda principal causa de morte entre os felinos, logo após os acidentes.
Causada por um retrovírus semelhante ao HIV humano, produz uma enzima que lhe permite inserir o seu próprio material genético nas células do gato, impedindo que o sistema imunológico do gato funcione de forma adequada, fazendo com que ele fique mais susceptível a infecções. Como o organismo fica sem defesas, outras doenças graves como o cancro podem desenvolver-se, causando a morte do animal, entre 1 a 5 anos após a infecção por FeLV.
Cerca de 1 em cada 3 gatos que contactam com o vírus desenvolvem infecção permanente que é quase sempre fatal. Felizmente o vírus não sobrevive no ambiente por muito tempo, no entanto apresenta uma taxa de mortalidade bastante elevada.
Este vírus não se transmite a humanos nem a animais de outra espécie.

 Como se dissemina?

O vírus da Leucose Felina transmite-se pelas secreções (saliva e lágrimas), lambidelas, espirros, bem como pelas fezes, urina ou até pelo leite materno, durante a amamentação. Transmite-se também através das feridas provocadas por lutas, pelo acasalamento e pela contaminação de comedouros, caixas de areia ou camas. Ainda que menos frequente, poderá passar da mãe gestante para os seus filhotes.
Apesar de se transmitir com bastante facilidade, o vírus não sobrevive no ambiente por mais de umas horas e é facilmente destruído pelos detergentes e desinfectantes comuns.
Os riscos aos quais está sujeito o seu animal variam em função da sua idade e modo de vida. Os gatinhos, por terem menos defesas, estão mais susceptíveis a contraír o vírus. No entanto, um gato adulto que viva no exterior e em comunidade, está mais exposto ao vírus do que um gato caseiro.

Quais são os sintomas?

bichoscaprichosvet.blogspot.com

Num gato contaminado pelo vírus da Leucose Felina, os sintomas podem demorar entre um a dois anos a manifestar-se. A maioria dos gatos, cerca de 80%, morre num período de 2 a 3 anos após a infecção.
Deve suspeitar de FeLV quando o seu gato contrai doenças com muita facilidade.

Esta infecção manifesta-se no organismo em dois estádios: num primeiro estádio, alguns gatos mais saudáveis conseguem combater a infecção, eliminando o vírus da corrente sanguínea; num segundo estádio, a infecção consegue proliferar, chegando à medula óssea e a outros tecidos. Neste caso, o animal será portador de FeLV durante o resto da sua vida.
Derivado à imunodepressão que este vírus provoca no organismo do gato, este encontra-se vulnerável a diversas infecções secundárias oportunistas que em situações normais não infectam gatos saudáveis.
Os animais podem apresentar:
  • abcessos persistentes e recorrentes;
  • gengivas pálidas;
  • pelo mal-tratado, aparentemente sujo e escamado;
  • infecções crónicas da boca;
  • infecções urinárias;
  • doença respiratória crónica;
  • diarreia;
  • perda de peso;
  • falta de apetite;
  • anemia;
  • depressão;
  • gastroenterites;
  • febre persistente;
  • infertilidade;
  • abortos;
  • lesões neurológicas;
  • tumores.
O aparecimento de tumores malignos é uma das principais preocupações em gatos infectados pelo FeLV. Este vírus foi inicialmente detectado em alguns gatis na Escócia, em 1964, onde se presenciou uma “epidemia” de cancro. Descobriu-se mais tarde que muitos dos gatos infectados pelo vírus desenvolviam, num período de meses a anos, tumores malignos das células dos linfonodos e da medula óssea. Quando estas células tumorais se encontram no sangue, o cancro toma a designação de Leucemia. Estes tumores podem também ser encontrados em diversos locais do organismo, incluindo a medula óssea, tórax, rins, fígado e tracto gastrointestinal, tomando nestes casos a designação de Linfoma.

Qual é o tratamento?

Actualmente não existe cura para a Leucose Felina. A melhor forma de evitar que o seu gato contraia FeLV será mesmo a prevenção.
Felizmente já existem vacinas bastante eficazes na prevenção da infecção por este vírus. A primeira vacinação deve ser feita em gatinhos entre as 8 e as 10 semanas, e uma segunda dose de reforço 3 semanas a um mês depois, devendo ser realizada revacinação anual para manter o gato protegido.
Apenas existem vacinas feitas a partir do vírus morto, uma vez que as vacinas feitas a partir do vírus vivo modificado apresentavam sérios riscos de contaminação do animal. No entanto, está associado o risco de aparecimento de um tumor designado por Fibrossarcoma. Trata-se de um tumor maligno agressivo do tecido fibroso, que se desenvolve na sequência da resposta inflamatória e que ocorre no local da injecção da vacina. A taxa de aparecimento destes tumores é de cerca de 1 em cada 5000 vacinas dadas, enquanto a taxa de contaminação por FeLV é de cerca de 2 em cada 100 gatos. Assim sendo, os benefícios da vacina ultrapassam os riscos da contaminação. No entanto, se o seu gato não tem acesso ao exterior nem contacto com outros gatos, não há necessidade de o vacinar.
Se o seu gato já estiver infectado não poderá ser vacinado, daí a importância da realização do teste antes da vacinação.

Como posso fazer o teste de FeLV?

Imagem de: tradew.com
 Estão disponíveis vários testes sanguíneos que permitem ao veterinário identificar rapidamente os indivíduos infectados pelo FeLV. Os gatos que vivem em casas com vários outros co-habitantes felinos devem ser todos sujeitos a este despiste, para assegurar que nenhum é portador do FeLV, e portanto um risco para a comunidade. Todos os gatos estranhos que se pretenda introduzir em casa, devem ser mantidos sob quarentena por um período de 3 meses e testados por 2 vezes para o FeLV, antes de serem colocados junto dos outros indivíduos. Testar todos os animais da casa/gatil periodicamente e prevenir a entrada de animais infectados é uma forma eficaz de criar um ambiente seguro e livre do FeLV, onde a vacinação não chega assim a ser necessária.
Se o seu gato estiver infectado com o vírus, mantenha-o afastado de outos gatos para evitar que dissemine o vírus. Isole-o e mantenha-o afastado do exterior para que não esteja exposto a outras infecções. Mantenha um acompanhamento veterinário com alguma periodicidade e forneça-lhe alimentos equilibrados para que o bichano tenha uma maior esperança e qualidade de vida.
 
DEVE SEMPRE CONSULTAR UM VETERINÁRIO!

5 comentários:

  1. Bom dia!
    Parabéns pelo blog: sempre com artigos importantes e interessantes sobre uns dos "amores da nossa vida".
    Ah e o novo visual está giro... Adorei a neve...

    Um bom dia!!!

    ResponderEliminar
  2. Olá Lili! Muito obrigada, espero realmente que estes artigos possam ajudar alguém! São realmente uns dos amores da nossa vida, a minha Kiffa é como uma filhota para mim! =)
    Um beijinho grande e ronrons para a Kitty!

    ResponderEliminar
  3. Compreendo perfeitamente!!!
    A Kitty tb é com "filhota" para mim. :-D :-D :-D

    ResponderEliminar
  4. Meu gatinho jack está com leucemia felina. Ele não quer comer estou dando AD na seringa. Está prostrado, depressivo. Está indo ao veterinario e usando interferon e uma vitamina com taurina. mas ele não está melhorando e agora está apresentando insuficiência respiratória. não sei o que fazer mais, será que o melhor seria eutanásia? Eu amo tanto ele não queria perde-lo mas ver ele sofrer é muito ruim tb. A irmãzinha dele morreu no dia 25/3. Abraço Aline

    ResponderEliminar
  5. Oi Aline! Lamento muito pelo seu gatinho Jack e pela irmãzinha... A FeLV é realmente uma doença muito má e não tem cura, infelizmente... Compreendo perfeitamente a sua dor pois já perdi muitos dos meus gatinhos com FeLV.
    Que idade tem o Jack?
    Penso que eutanásia deverá ser só em última opção, por agora fale com o vet para ver se há outro tratamento que ajude o Jack a melhorar. Dê-lhe a comidinha húmida que ele mais gostar e muito miminho, para que ele se sinta mais feliz. Se estiver muito calor, deixe-o ir para divisões da casa mais frescas, como a casa de banho e dê água sempre limpa e fresca. Para além da medicação, só resta dar ao seu gatinho carinho e conforto para que o ajude a animar. Rápidas melhoras para o Jack e obrigada pela visita ao blog. Vá dando notícias!

    ResponderEliminar

Sejam bem-vindos ao mundo das Curiosidades Felinas!
Muito obrigada por comentar!
Para pedidos de informação mais urgentes, por favor utilize o mail curiosidadesfelinas@gmail.com. Obrigada!

Informação

Todos os textos publicados foram preparados após pesquisas em enciclopédias, livros especializados, clínicas veterinárias e sites de conteúdo fidedigno, bem como pela experiência pessoal de convivência com muitos peludinhos.
Se detectar qualquer irregularidade ou incorrecção, agradecemos o seu contacto.


Voltem sempre!

Glitter Text Generator at TextSpace.net

Idade

PitaPata - Personal picturePitaPata Cat tickers